X

PRECISA DE AJUDA?

A Pereira entra em contato com você.

LOGIN
Sócia do escritório Pereira da Costa participa como coordenadora-geral do V Simpósio de Processo Civil - Notícias

NOTÍCIAS

Sócia do escritório Pereira da Costa participa como coordenadora-geral do V Simpósio de Processo Civil

Prova nos Tribunais foi o tema do V Simpósio de Processo Civil, evento promovido no dia 24 de agosto pelo Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul (IARGS) com o apoio da Escola Superior de Advocacia (ESA/RS). A sócia do escritório Pereira da Costa Advogados, Maria Isabel Pereira da Costa, participou da como coordenadora-geral do evento, realizado no Auditório do OAB/RS Cubo.

A advogada, também diretora do Departamento de Processo Civil do IARGS, reiterou que o objetivo do Simpósio foi abordar a prova nas diversas áreas do Direito. “O Processo Civil é o instrumento pelo qual podemos efetivar a aplicação do Direito. Por isso, sempre é importante nos mantermos atualizados para melhor desempenhar a nossa função de fazer a justiça por meio do Estado Democrático de Direito”, ressaltou.

A palestra de abertura ficou a cargo do coordenador de cursos presenciais da ESA/RS, Darci Guimarães Ribeiro, que falou sobre a Prova Testemunhal, fazendo uma relação com o princípio do contraditório Em seguida, foi debatido o tema “A Prova no Processo Previdenciário e do Trabalho”, onde foram convidados a advogada Jane Berwanger, doutora em Direito Previdenciário pela PUC/SP, e o ex-ministro do TST, Gelson de Azevedo. “A Prova no Processo Penal” ficou a cargo dos palestrantes Aury Lopes Júnior, Doutor em Direito Processual Penal, e do Doutor em Ciências Criminais, Nereu Giacomolli.

Na sequência, “A Prova no Processo Ambiental” foi a temática escolhida pelo magistrado, Gabriel Wedy, Juiz Federal e diretor do Instituto “O Direito por um Planeta Verde”. A Doutora em Direito Processual, Jaqueline Mielke, e o Desembargador Eugênio Facchini falaram sobre o tema “Questões Controvertidas da Prova. A palestra de encerramento “A gravação clandestina de audiência judicial, sem posterior identificação da autoria, é prova lícita?” foi explanada pelo Desembargador Gelson Rolim Stocker. Com informações da OAB/RS Fotos: Vanessa Schneider - OAB/RS

VOLTAR